terça-feira, 22 de dezembro de 2009

black.



Não, não sou inocente, sou otária. Tornei-me demasiado crente, se calhar tu fizeste-me ver tudo cor de rosa e com florzinhas, por me deixares tão feliz, e eu agradeço isso.
Mas não vale a pena amarrar a minha natureza, sou revoltada, sou negra, sempre fui. Acabaram-se as tintas para pintar as atitudes com cores mais sensíveis, acabaram os sapatos que me esmagam para se sentirem bem.
Acabou.
The bitch is back. Mesmo.
E se não querem ser levados pelo meu furacão, bem , não se metam no meu caminho. E se quiserem continuar a brincar comigo, então preparem-se, que eu devolvo tudo em dobro.


"You wanna make me sick;
You wanna lick my wounds,
Don't you, baby?
You want the badge of honor when you save my hide
But you're the one in the way
Of the day of doom, baby
If you need my shame to reclaim your pride
And when I think of it, my fingers turn to fists
I never did anything to you, man
But no matter what I try
You'll beat me with your bitter lies
So call me crazy, hold me down
Make me cry; got off now, baby-
It wont be long till you'll be
Lying limp in your own hand
You feed the beast I have within me
You wave the red flag, baby you make it run run run
Standing on the sidelines, waving and grinning
You fondle my trigger, then you blame my gun
And when I think of it, my fingers turn to fists
I never did anything to you, man
But no matter what I try
You'll beat me with your bitter lies
So call me crazy, hold me down
Make me cry; get off now, baby-
It wont be long till you'll be
Lying limp in your own hand "

Limp - Fiona Apple

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

#4

O jantar foi animado, e já não sei bem como foi parar novamente às coisas do antigamente. Fomos ver o trailler do Bocas ao Blog do Rato, e depois de muita pesquisa, dei de caras com outro site de desenhos animados antigos. Este chama-se mesmo Desenhos Animados, e tem tudo das décadas de 70, 80 e 90. Bem, quase tudo. Eu lembro-me de uns bonecos chamados Ervilhinhas de Cheiro, até me lembro de parte do genérico, mas por mais que procure, não encontro na net:(

Fica aqui mais uma selecção de coisas espectaculares da minha (nossa) infância, que a mim me marcaram especialmente.
O primeiro video é o genérico do Sítio do Picapau Amarelo, onde eu aprendi a ter medo do Saci Pereré, da Mula sem cabeça e da Cuca, que era um crocodilo gigante que me vinha buscar se eu não comesse a sopa toda. Para quem não sabe, o genérico é cantado por nada mais nada menos do que o Chico Buarque.






Este ensinou-me mais do que muitas aulas de Anatomia:





E estas duas foram as minhas primeiríssimas heroínas:





E finalmente esta, que fez com que fosse gozada até aos dias de hoje, e é inclusivamente o toque de telemóvel que muitos amigos têm para mim:



=)

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

7.12.2009


2!

:D

























coNsTanteMente veNceNdO os nOsSos anjoS & deMóniOs.

I
U


Parabéns a nós.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

.a rapariga ligada à corrente.


Foi em 2004 que os vi ao vivo pela primeira vez. Metade do concerto enquanto o sol se punha, outra metade já na penumbra. Aqueles ingleses com umas musiquinhas giras que o nuno tanto ansiava ouvir. Apaixonei-me. Como é que 3 pessoas conseguiam fazer tanto barulho em palco?
Entrou, e tal como nesse dia, assinalou muitos dos momentos da minha vida, bons e maus. É como um daqueles cheiros que recordamos até morrer (não sei se sabiam, mas a memória olfactiva é a mais poderosa, a mais precisa e a última a perder-se, mesmo em casos de demência ou alzheimer, quando já pouco de nós resta, mas ainda recordamos o cheiro daquela pessoa que nos marcou ou daquele lugar que não suportamos), entranha-se e nunca nos larga.



Domingo é um dia peculiar para ver um concerto, não há o cansaço da ressaca - porque arrastamos a noite até os refrões deixarem de se repetir na nossa cabeça - vamos tranquilamente para casa, com frio e com a memória vívida.
Só hoje, as imagens começaram a esmorecer.
Foi lindo, foi a sensação que tive pouquíssimas vezes - Pearl Jam, Muse, só faltava a senhora maçã - a de ser cantada. Parece parte de uma banda sonora estranha, como num sonho, em que observo a minha vida do lado de fora, enquanto ela se desenrola em partes desordenadas que se movem invulgarmente devagar. É difícil de descrever, e podem parecer exageradas as minhas impressões acerca de um simples concerto, mas a minha imaginação é hiperactiva, assim como todas as minhas sensações.


Aplaudo em pé. Bravo!



- Fish in the sea you know how I feel,
River running free you know how I feel
Blossom in the trees you know how I feel...







terça-feira, 17 de novembro de 2009

a melhor parte da noite ( ou todas as senhoras solteiras! )



Finalmente, já vos consigo mostrar a melhor parte do espectáculo que falei no post anterior. Eu sei que é longo, mas vejam até ao fim, vale a pena! A minha parte preferida são os meninos com coragem para vestir uns collants brancos e abanar a anca ao som da beyoncé, e as legendas, as legendas foram uma ideia de génio...


Sketch 5.º Ano da Noite da Medicina FML 2009 from Diogo Medina on Vimeo.


Quanto ao resto, estou há 3 semanas doente, já estou farta de me sentir demasiado cansada para fazer seja o que for, mas com sorte, daqui a uns dias já não existe mais nenhum bicho que me pegue=)

Queria ainda dizer que o Magusto foi fixe, obrigada ratinho, já estava com saudades da minha ex-casa e dos meus manos, só me faltaram o Nelson e o Ricardo.

Para a semana, Londres :D Não vejo a hora!



"Oh, kiss me .
Lick your cigarette, then kiss me."
XO XO




terça-feira, 27 de outubro de 2009

só por cima do meu cadáver em rigor mortis


Esta quarta-feira foi anunciada o dia da Pior Noite da Medicina de Sempre!

Para quem não sabe, a Noite da Medicina é um evento que a minha faculdade organiza uma vez por ano, e está a cargo dos alunos finalistas. No fundo é tipo aqueles espectáculos de Natal que fazíamos na escola, mas na altura eramos melhores actores.
Vale a pena, e quem já assistiu, mesmo sem ser estudante de medicina, confirma!

Let´s look at the trailer (e sim, ele está a comer rifas recheadas com queijo e fiambre):








Por mais que me custe, admito que todos os médicos e aspirantes-a-médicos tem algumas coisas em comum (e não, não é só o palavreado incompreensível, as olheiras e o complexo de Deus).
Para mim, o lado mau disto é o facto de, por mais opostos que sejam os seus gostos ou as suas personalidades, o "bicho" acaba sempre por apanhá-los.
O reverso da moeda, e a parte boa que nos aproxima, é o facto de sermos imaginativos, curiosos, e com "um-qualquer-distúrbio-psiquiátrico-ou-às-vezes-até-mais-do-que-um", que nos faz olhar uns para os outros, com ar enternecido, e pensar - "olha, este também já fritou, coitadinho. Como eu te entendo. Daqui a um mês e meio acaba a época de exames, pronto pronto já está quase...". Ah, já me ia esquecendo, e também somos resistentes ao sono, à chuva, ao frio e ao álcool e podemos ir à máquina de lavar.

Descobri também que, para além de sermos todos iguais em Portugal, também somos iguais aos estudantes de medicina do estrangeiro (ainda por cima mais essa, bolas!). Isto porque dei de caras com o blog de um recém-interno (e nerd informático em part-time) Graham Walker, e fiquei impressionada. Tem umas imagens giríssimas, um sentido de humor brutal e o melhor discurso de final de curso de sempre.

O rapaz tem tanta piada que eu não consigo escolher a minha parte preferida do discruso, mas uma das que mais me fez rir foi:

"During medical school (and my entire life) I’ve answered to just about any variation on the theme: Graham, Graham Cracker, Grahamazon, Grahambo, Grahamakin Skywalker, “Hey you,” Kilo, Graham Stain, Graham Positive, Graham Negative, and even, as one attending who didn’t care to learn the names of her students called me, “a medical student,” with the same tone one might use to ask, “Could you hand me a pen?” Man, I’m really going to miss medical school!"

E pronto, então 4a feira no Coliseu dos Recreios, vamos ver o estaminé que os meninos montaram.
Gostava muito de poder partilhar isto com vocês, porque é giro, e porque é um bocadinho de mim, mas infelizmente só posso fazê-lo através de vídeo, os bilhetes só chegam para os estudantes e acompanhantes dos finalistas, mas para o ano preparem-se!




"- Over my med body! "




terça-feira, 20 de outubro de 2009

ai os quilos da dona anabela...


Lindo!

É exactamente assim que me sinto e ja me senti muitas vezes, a falar para as paredes. Na maioria dos casos acabo por desistir, frustrada, da minha excessiva preserverança e dessas pessoas que claramente não querem ser ajudadas. Realmente, o ser humano é um bicho egoísta, que em vez de ouvir o que lhe estão a dizer, está simplesmente a pensar no que vai responder a seguir.
É por isso que quando tiver desesperada, pronta a enfiar um banano em alguém, me vou lembrar deste "vídeo", ao menos rio, para não chorar.





- *citação aleatória de uma letra de uma música foleira qualquer, porque pelo visto é fixe e tal e assim de cor só me ocorre uma mas essa não podia ser porque até parecia mal* (sorry, can't help being bad!)

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

chuva.


"Escolho os meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero respostas, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim.

Para isso, só sendo louco.

Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.

Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também a sua maior alegria.
Amigo que não sabe rir comigo, não sabe sofrer comigo.
Os meus amigos são todos assim: metade parvoíce, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade a sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.

Tenho amigos para saber quem eu sou.

Pois vendo-os loucos e santos, parvos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril."


Oscar Wilde


Vamos ultrapassar a nossa chuva, compreendendo-nos, sobretudo. Vamos aprender um com o outro. Porque é o nosso sonho e é tudo o que importa.

domingo, 4 de outubro de 2009

e pagam-lhes para isto...


Depois de uma tarde inteira ao telefone, tanto com os meninos do IST como com o apoio técnico da TV cabo, aqui está o que aprendi:




- "Hello, IT, have you tried turning it off and on again?"


quinta-feira, 17 de setembro de 2009

#1

No outro dia dei de caras com uma desconhecida que me fazia lembrar uma personagem de um desenho animado. Não sei se era das imperiais ou da música, mas estava especialmente enebriada/embriagada e tive uns bons 10 minutos a pensar naquilo. Eis senão quando me atingiu como um relâmpago! Lembrava-me a "Ama", a "Nanny" do Conde Patrácula. Descobri também que ainda consigo trautear o genérico em português, e pus-me à procura dele no youtube. Infelizmente só existe em Inglês, mas continuo a sentir saudades do Pato Vegetariano que nasceu porque o seu mordomo, o Igor, o ressuscitou com ketchup e não com sangue. A Ama, que entrava pelas paredes e o seu arqui-inimigo, o pato geólogo, e também o facto dos títulos dos episódios serem demasiado longos e hilariantes.
Et voilá:








#2

Enquanto procurava o Conde Patrácula no google, dei de caras com um blog onde um iluminado decidiu compilar toda a nossa infância, aliás, o blog é tão completo que é capaz de compilar a infância não só da minha, como de outras gerações. Chama-se Coisas do Antigamente, e tem tudo, e uma das coisas que gostei mais de ler foi a secção de curiosidades, aqui estão as minhas preferidas:




"- O Inspector Gadget se chama Inspetor Bugiganga no Brasil?
- O escritor das Aventuras de Tintim, Hergé, se chamava Georges Remi? E que Hergé não é mais que a leitura das duas iniciais do seu nome (R+G)?
- No Brasil, o Poupas da Rua Sésamo era azul e se chamava Garibaldo?
- Os Estrumpfes são os Schtroumpfs em Francês (o nome original), os Smurfs em Inglês, os Pitufos em Espanhol e os Puffi em Italiano?
- No Brasil, a Rua Sésamo se chamava Vila Sésamo?
- Ainda me lembro de se colarem os DOTs no canto da TV, na SIC, em troca de prémios?
- A Danone se chama assim porque o dono da empresa se baseou no nome de Daniel (DAN), o seu primeiro (ONE) filho?
(esta é para o Ivo...)
- Tal como tu provavelmente fazias, eu também soprava nos cartuchos da Mega Drive quando o jogo não estava a dar? E que isso funcionava?
- O Master Splinter, das Tartarugas Ninja, era o Mestre Lascas em Portugal (na RTP)?
- Ainda me lembro de se dizer "Sorte, nada...Xampa!"?
- O António Feio dava voz a uma das personagens do Denver?
- A Rua Sésamo já ganhou 109 Emmys, o que faz com que seja a série que mais estatuetas ganhou?
- Os detectives Dupond e Dupont, das Aventuras de Tintin, não têm qualquer laço de parentesco?
- O Garfield tem aracnofobia?
- O Snoopy sofre de uma patologia mental, chamada Complexo de Walter Mitty? E que, além disso, sofre também de claustrofobia?
- O Popeye tem este nome porque perdeu o olho direito (Pop+Eye)?
- O 1º nome do MacGyver era Angus?
- ALF significa Alien Life Form?
- As iniciais de B.A. Baracus, personagem do Esquadrão Classe A, interpretada pelo Mr. T., significam Bad Attitude?
B.A. Baracus, na Argentina, é Mário Baracus; na Espanha, é o M.A. (de Mala Actitud); na Itália é P.E. (de Pessimo Elemento); na França é o Barracuda e no Japão é o Kong? "

#3

Isto é para quem já esteve aborrecido de morte, ao ponto de se especializar no Minesweeper. Chorei a rir numa Quinta-feira.







" Coração da Transilvânia, lá na terra dos vampiros..."

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

flying, economy class style.



Isto de ser pobre não tem piada nenhuma... por mim contava-vos aventuras nas cataratas da Croácia ou nos Fiordes, mas só posso opinar sobre coisas que os meus 75 euros alcançam...

Que Castelo Branco rocks, como sempre, Foz do Arelho e arredores, sim senhor, boa companhia, mais insecto menos "teresinha" - mas a quechua amarela e preta fez o seu trabalho - Viseu é uma pasmaceira ispectacular, também é necessária; as horas que passei no Porto só serviram para encontrar o manjerico no comboio e Lisboa...ah...de Lisboa destacam-se a minha Princesa e o renascimento da Blúlia, a Costa da Caparica e a bela da alforreca venenosa(?), o karaoke e um Café Suave, os ingloriosos bastardos e a porra do calor que nos faz transpirar e compensar o ócio dos fins de semana. E no fim de semana, se der, AVANTE camaradas mais ou menos infiltrados.

Agora, ano novo, vida nova.
E é já amanhã! (note to self: devo estar mas é maluca, eu não tenho idade mental para trabalhar...aliás, eles é que devem estar malucos para me terem contratado...ai...).

[Para variar, não faço a mais pequena ideia no que vai dar...]


O melhor que consigo explicar é que me sinto como se estivesse a voar, em classe económica. Com os pés esborrachados contra o vizinho do banco da frente, depois de passar horas no aeroporto a dormir num banco duro, almejando o A no bilhete rabiscado pelo senhor maldisposto - será que consigo um lugar à janela?
Apertada, pouco cheirosa, mas com o estômago às voltas...hum aquele tremido miudínho no estômago, a pressão do arranque que nos encosta à cadeira e finalmente, os meus fracos conhecimentos de Física
( para mim Física resume-se a uma bola em cima de um triângulo torto e o resto é magia...! ) mistura-se com a crença convicta que uma geringonça com numseiquantas mil toneladas é pesada demais para voar. Serei?






" -Well I speak the most Italian, so I'll be your escort. Donowitz speaks the second most so he'll be your Italian cameraman, Ans Hirschberg third most, so he'll be Donny's assistant.
- But I don't speak Italian.
-Like I said, third best. Just keep your fuckin' mouth shut. In fact why don't you start practising, right now.
...
- Bon giourniou."



quarta-feira, 19 de agosto de 2009

ósculos*

Bem, não sei se gosto mais da cara de parvo do cão ou do dono...=)
Ora, 1+1+45+...(será que os mesmo bons contam mais?)....+2+7 e meio+ (e os das amigas?) + ... eh lá, gosto!



segunda-feira, 17 de agosto de 2009

.apontamento.


Estou a tentar falar, a sério que estou. Mas quero contar uma história com princípio, meio e fim. Quero ter a certeza que não me escapa nada, nem ninguém. Que falo do quanto vos gosto, que estou feliz por esta, que reencontrei aquele, que isso me entristece mas que vai correr tudo bem, que me fazes falta, que a tal vai ficar incerta e que o tal continua na mesma...que conto como foram as férias, e como finalmente consegui voltar a ser espontânea e não adiar o que não deve ser adiado...confessar que o que eu mais queria é que se relativizasse o que afinal é tão volátil e todos se dessem bem...
Tentei vezes sem conta, mas ainda não ganhei coragem para pronunciar a maldita palavra... e falta de coragem é uma coisa nova para mim, apesar dos subterfúgios mentais de muita gente quererem pensar o contrário. Tanto faz... quanto vale um sorriso, um beijo, um momento?

Nada é adiável. Mesmo.

disse Fêmea...

quinta-feira, 16 de julho de 2009

não sei onde vou estar daqui a três anos, mas sei quem me vai pagar em setembro!



Ora bem, dia de team building no Vimeiro, patrocinado pelo futuro patrãozinho, o hospital lá para os lados do colombo.
Pensava eu que ia receber umas massagenzitas, ou formação, ou qualquer coisa...
Dou por mim com 5 tábuas da madeira à frente, cordas, um cortador de cartão - manual e torto - uma régua, uma caneta, e um manual de instruções. Com este material topo de gama era suposto construir uma charrua (ou uma carroça, ou aquela coisa que os romanos tinham...), a qual, escusado será dizer, durou aproximadamente 5 segundos montada, apesar de ser sustentada por quilos de fita-cola...


Ao almoço ainda estava optimista. O chasso de madeira até não ficou nada mal, e eu suei em bica durante 3 horas, que tem como vantagem ter perdido aí uns 500 gramas de gordura e 3kg de massa muscular. Escravatura -1, Magreza-1.
Alimentaram-nos até bastante bem e eu ainda pensei, inocentemente, que nos deixariam dar um saltinho à piscina... Pois, tava-se mesmo a ver, meteram-me uma cambada de ingredientes à frente e tivemos mais 3h a confeccionar um sumo. Estava tão bom, mas tão bom que acabou metade nas minhas calças, metade nos meus colegas de equipa...a misturadora explodiu, claro... e juro que não fui eu, não que estivesse aborrecida...nã...mas ficamos todos com um belo tom de roxo, que desconfio vai para sempre ficar nas minhas calças de ganga...

Resultado final: videos e fotografias que vão para sempre manchar a minha futura, e já de si frágil, reputação profissional (futuramente partilharei o link para o meu suicídio académico). Team building? Quem já se dava bem, não se chateou, quem não se conhecia, continuou a não se dar a conhecer, infelizmente...mas a idéia não está má, não senhor. Mas aposto que o Ronaldo não precisou de passar este mau aspecto todo para receber dinheirinho do futuro patrão verde...ai não!
"três,três,três, ao fundo já nem a vês"

sábado, 4 de julho de 2009

viés.


Pausei para por as coisas em perspectiva. Tenho de dar um grito mudo.
Porque é que tenho sempre de escalar uma montanha para chegar ao telefone de casa? Podia pedir um pouco de sorte, porque isso claramente é o que preciso neste momento, mas depois não me parece muito justo. Tenho muita sorte em tanta coisa, tenho pessoas que me acarinham e me fazer continuar a aguentar este estado pré-dormente em que mergulhei.

Tenho-me esforçado por tudo o que obtive na vida até agora, nunca nada foi fácil para mim, mas sei que o mereci. Isso é tudo muito giro, mas sinceramente, não consigo enfrentar mais tigres por coisas tão simples para a maior parte do meu mundo. Preciso de perspectiva, e por favor, ao menos se não vier a sorte, alguém me ajude a expulsar o azar, que nunca me larga o pé.

Não dá mais.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

that's it

Estava a estudar e o João largou-me uma bomba. Impossível não comentar isto. Morreu o rei da pop.

Aparte dos claros problemas psicológicos que tinha, não há dúvida que marcou várias gerações, a minha incluída. Todos batemos o pézinho ao som das suas músicas, vibramos com o moonwalk (yey, pelo menos eu chateei enormemente um americano com isto:p), e tentamos imitar os gestos do Triller...

Tenho pena que o seu caminho de estrela descendente tenha terminado com memórias tão contraditórias, pelo menos para mim. Falarei dele aos meus futuros filhos, como um grande artista, quase completo, mas nunca como um homem do qual se tire qualquer exemplo,excepto talvez o facto de se poder ter tudo, a fama, o dinheiro e sobretudo o talento, mas que não valem de nada quando a auto-repulsa é tão grande. Como é que alguém como ele nunca conseguiu gostar de si? não compreendo...se calhar, ao menos agora, encontrou alguma paz para a sua dor de alma.



Ah, e pelamordedeus alguém cale o Elton John! Porra o homem não pode ver ninguém a morrer que lhes espeta logo com uma música qualquer...já não é castigo suficiente os pobres desgraçados baterem a bota e ainda têm de ficar conotados com um ex-hit ou adaptação em cima do joelho do Elton...bem, ao menos não é outra versão do Candle in The Wind! Duas deve ser o numero máximo de adaptações foleiras por lei americana, hum pensando bem...não, não deve ter sido por isso.



"who's bad?"

sábado, 20 de junho de 2009

Pode ser?


"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço..."


"O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos


Paradoxo da época de exames (segundo o profeta nuno): o pior do cansaço é o momento em que dizes para ti próprio que estás cansado.

Portanto, ligeiramente frita e com caca cerebral,sim! Cansada, nunca! Tenho tempo para dormir quando morrer...

Agora a sério...


quarta-feira, 3 de junho de 2009

pAu da baNdeiRa


Aviso: esta curta, protagonizada pelo Seu Jorge e o Selton Mello, tem a duração de dez minutos, e destina-se apenas à paciência de quem gosta de Tarantino.

Basicamente, o meu querido Jorge Mário e aquele que é para mim um dos melhores actores brasileiros fizeram uma curta onde teorizam que todos os filmes do Tarantino são um só. Quer dizer, o Selton teoriza e o Seu Jorge avacalha!

Uma delícia, simplesmente genial.





PS: por falar em sósias, o Selton Mello é a cara chapada do actor norteamericano Seth Rogen!Shhh!

"Todo dia ela faz tudo sempre igual"

segunda-feira, 1 de junho de 2009

.amuada.


Todos nós temos dias em que só nos apetece choramingar! Pois eu estou nesses dias! Apetece vitimizar-me por todas as razões possíveis e ainda achar que tenho razão!

Por exemplo, quero vitimizar-me por teres ido embora hoje! Não é justo, eu tenho tantas saudades tuas, apareces durante dois dias e depois puff....e eu fico ainda com mais saudades do que já estava. Especialmente nesta cidade, onde parace que toda a gente gosta de guerrear mesquinhices. Se calhar estou a ser injusta, porque até não é bem isso que considero o problema principal. A gente de cá leva o conceito individualista citadino ao máximo, e só consegue pensar em si. Deve ser chique, não sei... Mesmo que não seja maldade calculada, simplesmente não conseguem evitar avaliar o custo-benefício para si próprio de todos os actos que fazem, nem que seja ajudar um velho a atravessar a rua. Como consequência disso magoam quem, como eu, por ingenuidade ou purra burrice, não consegue compreender certas coisas.

Eu não sei viver assim.

E isto dá o mote para a minha choraminguisse numero dois, porque hoje tive a nítida sensação que a maior parte das pessoas com quem me tenho cruzado ultimamente nesta capital do fim do mundo me consegue enxovalhar quando lhes dá na gana. Eu penso-me ruim, e talvez seja no que diz respeito a assuntos que me deixam vulnerável, mas quando chego à conclusão que faço tudo pelas pessoas de quem gosto - sou tão totó que às vezes até faço pelas que não gosto - fico mais furiosa que a Deolinda quando me tratam mal. E tenho a atitude abebezada que estou a ter neste momento: queixo-me aqui para não ter que gritar para o ar nas traseiras do meu prédio.

E sinto a falta da minha gente do Porto. E agora sinto-me muito melhor, apesar de ter conseguido fazer o único post do mundo onde se conjuga o verbo choramingar em todos os tempos verbais...


"Burritoooooo!!!!!!!ai ai burrito, ai ai burrito, ai ai ai ai"

quarta-feira, 20 de maio de 2009

que dia estúpido, hoje...

Começou tão bem e acabou com um torcicolo... se não fossem os concertos do fim de semana alargava o comentário para : que semana estúpida...

Por outro lado, descobri que há uma música brasileira muito pirosa com o meu nome, e que continuo apaixonada por este senhor aqui, ó...:







Gostanto mas tanto, apesar do pormenor da devassa...oh, até disso gosto! (ele diz baum...coméquiépossivel, como diz(ia?) o zé...=))

-Também quero ter 80 anos e continuar a fazer grandes planos ...
- Andas numa de vermelho, não andas?
- Sim...
-Oh não, outra vez não...

:25



Obrigada! Por tudo que me proporcionaram...foi espectacular!! Ao pessoal da unidade sindical, a ti, a ti e a ti pela véspera, e a ti e a ti pelo after. Vocês são a minha família, serão sempre os máiores. Por mim, era assim sempre, faltou-me "apenas" toda a gente do Porto que eu não pude ver... Tchim Tchim.


























video





















CÊGÊTÊPê - UNIDADE SINDICAL!

sábado, 25 de abril de 2009

o qUe me moVe...


São quase quatro da manhã. Há seis minutos entrei em casa. Porque vivo inquieta, sou e sinto-me inquieta, não sei... E porque quero sempre mais. E porque isto é pura poesia, e merece estar em maiúsculas. E é lindo...

Fragmento 1

"O coração, se pudesse pensar, pararia."

"Considero a vida uma estalagem onde tenho que me demorar até que chegue a diligência do abismo. Não sei onde me levará, porque não sei nada. Poderia considerar esta estalagem uma prisão, porque estou compelido a aguardar nela; poderia considerá-la um lugar de sociáveis, porque aqui me encontro com outros. Não sou, porém, nem impaciente nem comum. Deixo ao que são os que se fecham no quarto, deitados moles na cama onde esperam sem sono; deixo ao que fazem os que conversam nas salas, de onde as músicas e as vozes chegam cómodas até mim. Sento-me à porta e embebo meus olhos e ouvidos nas cores e nos sons da paisagem, e canto lento, para mim só, vagos cantos que componho enquanto espero.
Para todos nós descerá a noite e chegará a diligência. Gozo a brisa que me dão e a alma que me deram para gozá-la, e não interrogo mais nem procuro. Se o que deixar escrito no livro dos viajantes puder, relido um dia por outros, entretê-los também na passagem, será bem. Se não o lerem, nem se entretiverem, será bem também."
O Livro do Desassossego
Composto por Bernardo Soares,ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa



quinta-feira, 16 de abril de 2009

meiO arTe mEio HarriSon


Voltando à medicina...
Não falo assim tanto deste tema, apesar de ser, obviamente, uma paixão.
O meu blog não tem coisas ecléticas, não é trendy, não tem como intuito mostrar como eu sou fixe e inteligente (isso toda a gente já sabe), é apenas constituido por um mólhe (lol) de baboseiras que me passam pela cabeça ao longo do dia, isto porque, como dizia a blé, eu tenho uma imaginação muito fértil, e tenho de a "largar" em algum lado. Desculpem lá, a sério. mas não consigo evitar. Aham... como estava a dizer, não falo muitas vezes de medicina porque não calha! E porque não me apetece. Principalmente por isso.
Mas vou abrir outro parêntesis hoje:

Andava eu à procura de uma imagem bonita de pulmões para usar numa apresentação para a faculdade. Então, como qualquer aluno aplicado, abri uma página e perguntei ao google (oh grande sábio \./).
Dei então de caras com uma série de sites pomposamente intitulados: arte e medicina. Fui explorar. Vai-se a ver, e afinal há montes de estudantes de medicina e médicos que partilham, para além do complexo de Deus, a mania que são artistas. Até agora, pensei que era só eu! Mas, ao contrário de mim, esta gente até tem jeito para a coisa! É práctica comum nos EUA, e inclusivamente há concursos patrocinados por empresas do ramo que pagam prémios avultados por estes trabalhos, sejam eles animações de processos fisiológicos ou patológicos ou ilustrações simples.
As animações, para além de serem lindíssimas, lembram aqueles desenhos animados do canal 1 o "Era uma vez a vida", lembram-se?! É uma espécie de "meninos, é assim que surge a diabetes"...

As ilustrações, são não só artísticas (mas anatomicamente correctas), como publicitárias. Foi uma destas que mais me impressionou, e que vos deixo aqui - é uma analogia brutal entre as gorduras e os filmes de terror=)
Nunca mais vou conseguir olhar para o frango da mesma maneira!




foge foge, bandida!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Nota:


Ando fascinada com os candeeiros de rua.
Isto de usar lentes de contacto é como começar a ver o mundo em HD!

domingo, 29 de março de 2009

vox populi.

Acho que toda a gente já recebeu um e-mail com frases da entrevista médico-doente (sim, é o nome pipi e moderno que se chama ao que dantes era apenas uma consulta...).

Fui a um congresso de Pneumologia na quinta feira, e para minha surpresa, ofereceram-me o livro que serviu de inspiração a esses famigerados e-mails. Foi escrito por um Otorrino do Porto, que passou 30 anos a ouvir, como ele diz, " a medicina na voz do povo".

Posso dizer que já ouvi a minha quota-parte disto. Há muita gente que pode considerar este livro insultuoso, mas se calhar não têm noção que a maioria dos doentes dos hospitais tendem a estar assustados com a sua doença, por mais simples que seja, o que é mais do que natural. Assim, como é típico da condição humana, têm de arranjar explicações para tudo o que desconhecem.

Algumas destas, chamemos-lhes opiniões, são verdadeiras pérolas. E ajudam-nos a chegar ao fim do dia com um sorriso na cara! Nem sempre é fácil, já que esta ignorância, na grande maioria dos casos que me passam nas mãos, é uma benção.
O prefácio do livro foi escrito pelo Júlio Machado Vaz, para quem não sabe é Psiquiatra, e de quem eu não sou especialmente fã, mas de vez em quando até escreve umas coisinhas giras (o mesmo não acontece no su blog, mas enfim...). Resume assim o que a maioria dos médicos pensa (ou devia, se não tiver sido apanhado pelo "bicho"):

"(...) o livro do Carlos, sendo um auxiliar precioso para a arte da Medicina, é também, clandestino por trás da modéstia e discrição do autor, um testemunho inatacável da excelência com que este a pratica."

Então, passei umas boas tardes a rir-me, muito profissional e respeitosamente, claro;)
Genial.

"Isto deu-me de ter metido a cabeça no frigorífico. Um mês depois fui ao Hospital e disseram-me que tinha bolhas de ar no ouvido."
"O último antibiograma que fiz dava Proteus Miserável (Proteus Mirabillis). E que miserável que ele era!"
"Quando me assoo dou um traque pelo ouvido" - Referência à manobra de Valsalva hihihi

Sobre otites supurativas (basicamente deitar pus pela orelhas...):

"Deito um pus que parece água de castanhas cozidas."
"Eu esterrincava sangue do ouvido direito. O médico disse-me que me rebentou a tese no ouvido"

Sobre a surdez e os aparelhos auditivos....

"ouço bem, é preciso é falarem-me alto."
"deve ser aquele bichinho, que a gente tem dentro do ouvido, que morreu."
"fizeram-me um exame psicotécnico e verificou-se que os meus ouvidos não ofereciam resistência para condutor de transportes públicos"
" nem aparelho posso usar porque a minha cabeça é alérgica e rejeitou o aparelho"

A boca...
"gostava que as papilas gustativas se manifestassem a meu favor"
"o médico disse que era um biruço (vírus) e eu acredito que sim, uma vez meti o dedo pela garganta abaixo e lá estava o filho da mãe, trraque, trraque, a morder!"
"O sr.doutor disse que eu tinha as amígdalas putácias (pultáceas)."
"não é nas inginas, é no cano"
"a minha voz fica muito trémula e com ligações ao cérebro."
"a minha espectoração é limpa, assim branquinha, parece, com a sua licença, espermatozóides."
"ou caiu da burra ou foi um ataque cardeal."
"O que me faz mal é chorar. A água que deito pelos olhos faz-me falta ao cérebro."

Aparelho circulatório e digestivo...

"Eu sou hipertensionário."
"Fui operado ao panquecas" (pâncreas).
"tenho duas úlceras, e é porque o sr dr não puxou por mim,senao tinha mais!"
"tive três úlceras, um macho, uma fêmea e uma de gastrina."
"sr dr a minha mulher tem umas almorródias que, com a sua licença, nem dá um peido."

...e claro, o génito-urinário...

"às vezes prega-se-me uma comichão nas barbatanas..."
"tenho de ser operado ao stick, já fui aos estículos."
"oh sr dr tenho muita ardialeja na via de serventia."
"tenho esta comichão na perseguida porque o meu marido tem uma infecção na ponta da natureza."

...e finalmente, o que o doente pensa do médico...

"Tem umas mãozinhas, como se diz...é o nambulano!" (number one).

sexta-feira, 13 de março de 2009

e tive quatro dias inteirinhos de férias...

...e tenho a dizer isto:



pontuado com isto,



acrescento ainda,




ah, já me ia esquecendo, a ginja também quer dizer isto:


...raisparta a minha faculdade que só me deixa disfrutar de uma mão cheia de dias espectaculares de sol e de noites quentes como a de hoje!


Resumindo,




e mai nada!

quarta-feira, 4 de março de 2009

eLemeNtaR, meU cARo WatSoN....


Ia escrever uma carta aberta ao excelentíssimo Sr. Professor Doutor Regente de Neurologia, mas achei melhor deixar os insultos para sexta-feira, quando sairem as notas do exame.


Por isso vou deixar aqui uma frase gira que me captou a atenção (o que, diga-se de passagem, hoje não é particularmente difícil. Querendo eu achar que é pelo meu encéfalo à TC-ce revelar uma tendência para diarreia mental na substância branca, que se traduz sintomaticamente em coprolália a copromimia, e também em insónia total induzida por livros, tudo isto tendo como factor desencadeante a passagem por elementos que enverguem um martelinho de plástico ridículo pendurado nos botões da bata):



"A man who moralises is usually a hypocrite"

Oscar Wild



Não tendo capacidade para produzir (mais) nada de interessante hoje, sobeja-me apontar que eu passo a vida a dizer o mesmo e ninguém me leva a sério! Queres ver que tinha de ter vivido no século xix, ter tendências homossexuais e afogar-me em ópio para ser reconhecida por dizer frases que são conclusões estupidamente óbvias?

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Smile like you mean it...



Realmente isto anda parado.
Para responder à pergunta que muitos me fizeram hoje: Como estou?...hum...

Diria cansada, acho que é isso.

Ponto alto do dia de hoje: ir comprar marcadores novos ao Continente. Acho que isso resume quase tudo.

Aproveito para dizer o que não tenho tido tempo para exprimir: obrigada. tenho saudades vossas. fazem-me falta. falando sério.






sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

mUst be The rEaSOn wHy YoU're kIng oF mY cAstLe

Há uma linha ténue entre o romantismo e a piroseira.
Hoje perguntaste-me várias coisas para tentares esclarecer a minha opinião sobre a coisa, enquanto lavavas a loiça. Uma delas foi a daquela música pimba (sim,essa é pirosa,já agora),mas como te disse, acho que toda a gente tem uma música, amigos, namorados, inimigos...não há nada de piroso nisso,é a ordem natural das coisas.
Se pensarmos bem,há sempre um nome, um cheiro e uma música que associamos a quem nos desperta sensações fortes. Estive o dia todo a pensar nisso, e quebrando a tradição, aqui está a nossa primeira música, enviada sexta feira treze, e não sábado catorze. Espero que dê sorte.

Sei que não gostas muito dela, mas também sei que a vais associar ao dia em que nos conhecemos para o resto da tua vida. Assim como eu. Não tem nada a ver connosco, não é uma música de amor, até é de raiva. Não é de nenhuma das nossas bandas favoritas (o nosso gosto musical é incompatível, e isso é bom, a sério que é...), mas é nossa, quer queiramos quer não, porque tal como todas as músicas que aproximam pessoas, não fomos nós que a escolhemos.

Amo-te*




"love me or leave me."
Snoopy

sábado, 7 de fevereiro de 2009

e eu queria chamar-me jessica rabbit e viver na bélgica para comer waffles o dia todo.


Acabei de acordar e queria fazer qualquer coisa interessante. Ainda estou meia entorpecida do sonho estranhíssimo que tive. Nada de anormal até agora. Quebrando a rotina habitual que tenho quando acordo para uma casa vazia, não saltei para a banheira e liguei o rádio bem alto. Isto por ordem inversa. Vou à net, é isso! Afinal tenho de ocupar um pouco do meu tempo, estou em época de exames e toda a gente sabe que nesta altura a net é um sítio cheio de coisas interessantes. Ora, dei por mim a querer mudar o visual do blog. Mais claro. Mas não, vamos ler primeiro as novidades do pessoal. Cheguei à conclusão que metade dos meus amigos está ou vai para o estrangeiro, e os que não estão, bem que o parece. e pior, eu vou morrer com saudades, daquelas duas especialmente. Bonito, afinal até há um ano e tal sensivelmente imaginava-me em Londres durante não menos do que outro ano. Fico feliz e penso no que mudou. Já não sinto necessidade de fugir daqui. Ponto positivo. Se me arrependo? Não. Outro ponto positivo. Dos 3 países onde estive no ano que passou, o ponto em comum foi as saudades de casa. Ponto neutro. Concluindo, viajar continua a ser o meu desporto favorito, mas viver abroad não (acabou de falhar a luz em Lisboa. Bem, isto sou eu com delírios de grandeza, falhou em Telheiras, ou pelo menos, na minha rua... Boa, agora como é que ligo o rádio?).
Como dizia, esta mudança de espírito prende-se apenas com o facto de estar cansada deste erasmus prolongado. Supostamente tinha data limite de seis anos. Quando vim para cá, até esperava que conseguisse ficar apenas um, vá três no maximo. Para o ano faz sete, e com mais um de bónus. Quando seis se transformam em oito, que por sua vez arrastam perspectivas de imprevisibilidade, uma miúda tem de por as coisas em ângulo obtuso! Quando terminar isto, ainda tenho de concorrer para sabe-se lá aonde...
E mais, tenho uma coisa que ja não planeava ter nesta altura: vida de estudante. Pés e mão atadas, e corpo completamente livre, se é que me entendem. É confuso. A taxa de positivismo que isto acarreta ao longo do dia anda à volta dos 60%, em média e com condições nomais e no Inverno- aguarda-se uma melhoria na percentagem quando chegar a Primavera - os outros 40% martirizam-se por não serem independentes financeiramente, por não poderem andar para a frente, seja em que direcção for.
E ainda não fiz nada de interessante, afinal. Agora sim apetece-me mesmo tomar um duche longo e ouvir albuns antigos, ou então por a tocar algum cd daqueles hip indie que a xica me põe no iPod. Olha, podia sempre trocar-lhe a capa. E onde é que estava o interesse nisso? Nenhum, mas como disse, pés e mãos atadas e uma responsabilidade enorme. Por isso, as coisas interessantes que posso fazer hoje não podem levar mais de 15 minutos. Senão tinha ido com o pessoal a Alfama, visitar coisas antigas e tirar fotos giras. Ou então tinha ido com o João para o Campo Grande, sempre via pavões. Podia sempre puxar do meu cavalete e começar aquele quadro.
Mas não. Sobeja-me o duche e o rádio. Mas não há luz! E eis senão quando me ocorre a idéia como uma flecha: duche à luz das imensas velas de morango que tenho sempre espalhadas pela casa e música no portátil. Vai ter de ser interessante o suficiente para hoje.

Depois vou-me, que aqui em Portugal a vida é boa, não tão interessante como lá fora, mas parecendo que não, isto até é giro=).


Parabéns! Chilli's tonight, but you're my hot stuff...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

maU dORmiR.

Costuma dizer-se que os dias passam a correr, mas para mim, não são os dias, mas as noites...

Graças ao nuno descobri que há mais alguém que me entende perfeitamente, cujas noites devem ser tão surreais como as minhas, mas ao contrário de mim, canta bem=)




Back to slice and dice, qua a minha vida agora é no bloco operatório.